Você está aqui
Home > Esportes Olímpicos > Ginástica Olímpica > Choro e risos no Mundial de Ginástica Artística

Choro e risos no Mundial de Ginástica Artística

Com muitos desfalques a equipe feminina do Brasil viu escapar a vaga por equipes nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Após quatro participações consecutivas a equipe ficará de fora e, por enquanto, terá apenas Flavia Saraiva como sua representante. No Mundial, Flavinha ainda disputará 3 finais (individual geral, trave e solo) e futuramente poderá ver Rebecca Andrade, que se recupera de uma cirurgia no joelho, se juntar a ela para disputa das olimpíadas. As meninas ainda terão o Circuito da Copa do Mundo e o Campeonato Pan-Americano do ano que vem para buscarem mais vagas individuais.

A dor de Jade Barbosa ao lesionar o joelho após seu primeiro salto. Foto: Reprodução globoesporte.com

Pelo lado masculino, contando com uma equipe maior e mais diversificada, o Brasil garantiu a participação da equipe nos Jogos e aguarda o fim da classificatória para confirmar três vagas nas finais individuais do mundial. Com a vaga por equipes garantida, o Brasil vai ter direito de levar quatro atletas para a disputa de Tóquio e ainda poderá classificar mais ginastas nas próximas competições que antecedem os jogos.

Equipe masculina vibra após deixar rivais para trás no Mundial de Ginástica. Foto: Reprodução globoesporte.com

Arthur Zanetti nas argolas, Arthur Nory na barra fixa e Caio Souza no individual geral são as esperanças da equipe na briga por medalhas no Mundial. Por equipes, desde 2014 o Brasil se mantém na elite, com destaque para a sexta posição obtida na Olimpíada do Rio 2016. Aguardando o fim da classificatória ainda hoje, o Brasil espera poder estar no Top 8 e disputar também a final por equipes.

Zanetti obteve a maior nota da equipe no Mundial: 14,700 nas argolas. Foto: Ricardo Bufolin/PanamericaPress/CBG

Deixe uma resposta

Top